Cursos
EFAI – Escola de Pilotagem

A carreira do piloto possui três níveis: Piloto Privado, Piloto Comercial e Piloto de Linha Aérea. Esses níveis são aplicáveis para AVIÕES e para HELICÓPTEROS.
Os cursos de formação para obtenção de licenças como os de PPH ou de PCH, por exemplo, são realizados pela EFAI – Escola de Pilotagem.

A EFAI está autorizada pela ANAC a funcionar como Escola de Pilotagem, segundo o RBHA 141, e é homologada, também pela ANAC, como Centro de Treinamento, segundo o RBHA 142.

A EFAI – Escola de Pilotagem oferece os seguintes cursos:

TEÓRICOS

- Piloto Privado de Helicóptero – PPH
- Piloto Comercial de Helicóptero – PCH
- Instrutor de Vôo de Helicóptero – INVH
- Curso de Vôo por Instrumentos de Helicóptero – IFRH
- Piloto Privado de Avião – PP
- Piloto Comercial/IFR de avião – PC/IFR
- Instrutor de Vôo de Avião – INVA

PRÁTICOS

- Piloto Privado de Helicóptero – PPH
- Piloto Comercial de Helicóptero – PCH
- Instrutor de Vôo de Helicóptero – INVH
- Curso de Vôo por Instrumentos de Helicóptero – IFRH

Centro de Treinamento



Piloto Privado de Helicópteros – PPH – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como piloto privado de helicóptero e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Pode ser feito em escola homologada ou o candidato pode estudar por conta própria e apresentar-se para os exames em data de sua escolha.
O curso é constituído de, aproximadamente, trezentos tempos de aula distribuídos entre as cinco matérias avaliadas – Teoria de Vôo de Helicóptero – Conhecimentos Técnicos de Helicóptero – Navegação Aérea – Meteorologia e Regulamentos de Tráfego Aéreo e outras matérias não avaliadas.
Apesar de ser obrigatório apenas para o início da parte prática, é desejável que o candidato se submeta, logo que possível, a uma Junta Especial de Saúde para realizar a Inspeção de Saúde que, obtendo aprovação, o habilitará para o Vôo, através da emissão do correspondente Certificado de Capacidade Física (CCF). Para iniciar a instrução prática, o candidato à licença de PPH deverá possuir, pelo menos, o CCF de 2a Classe.


Banca de Exames da ANAC
Comissão de exames organizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) que aplica as provas da diversas matérias para cada curso em diversas cidades brasileiras e que, em sendo aprovado, o candidato recebe um CCT (Certificado de Conhecimentos Teóricos) correspondente. Essas Bancas ocorrem, normalmente, nos meses de abril, agosto e novembro em datas predefinidas e divulgadas no portal da ANAC. Atualmente, está havendo uma transição para que os candidatos possam inscrever-se para os exames em datas de suas conveniências, mas essa possibilidade está disponível em apenas algumas Gerências Regionais da ANAC.



Piloto Comercial de Helicóptero – PCH – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como piloto comercial e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Deve, obrigatoriamente, ser feito em escola homologada.
O curso é constituído de, aproximadamente, trezentos tempos de aula distribuídos entre as cinco matérias avaliadas – Teoria de Vôo de Helicóptero – Conhecimentos Técnicos de Helicóptero – Navegação Aérea – Meteorologia e Regulamentos de Tráfego Aéreo e outras matérias não avaliadas.
Apesar de ser obrigatório apenas para o exame em vôo, é desejável que o candidato se submeta, logo que possível, a uma Junta Especial de Saúde para realizar a Inspeção de Saúde que, obtendo aprovação, permitirá a emissão do correspondente Certificado de Capacidade Física (CCF) de 1a Classe.
A licença de PCH é obrigatória para quem pretende atuar de forma remunerada como piloto comercial de helicóptero.



Instrutor de Vôo de Helicóptero – INVH – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como Instrutor de Vôo de Helicóptero e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Deve, obrigatoriamente, ser feito em escola homologada.
O curso é constituído de, aproximadamente, xxxxxxxxx tempos de aula distribuídos entre as seguintes matérias:



Curso de Vôo por Instrumentos de Helicóptero – IFRH – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como piloto de um helicóptero operando sob regras de vôo por instrumentos e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Deve, obrigatoriamente, ser feito em escola homologada.
O curso é constituído de, aproximadamente, xxxxxxxxx tempos de aula distribuídos entre as seguintes matérias:



Piloto Privado de Avião – PP – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como piloto privado de avião e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Pode ser feito em escola homologada ou o candidato pode estudar por conta própria e apresentar-se para os exames em data de sua escolha.
O curso é constituído de, aproximadamente, trezentos tempos de aula distribuídos entre as cinco matérias avaliadas – Teoria de Vôo de Avião – Conhecimentos Técnicos de Avião – Navegação Aérea – Meteorologia e Regulamentos de Tráfego Aéreo e outras matérias não avaliadas. Apesar de ser obrigatório apenas para o início da parte prática, é desejável que o candidato se submeta, logo que possível, a uma Junta Especial de Saúde para realizar a Inspeção de Saúde que, obtendo aprovação, o habilitará para o Vôo, através da emissão do correspondente Certificado de Capacidade Física (CCF). Para iniciar a instrução prática, o candidato à licença de PPH deverá possuir, pelo menos, o CCF de 2a Classe.



Piloto Comercial/IFR de avião – PC/IFR – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como piloto comercial de avião e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Deve, obrigatoriamente, ser feito em escola homologada.
O curso é constituído de, aproximadamente, trezentos tempos de aula distribuídos entre as cinco matérias avaliadas – Teoria de Vôo de Avião – Conhecimentos Técnicos de Avião – Navegação Aérea – Meteorologia e Regulamentos de Tráfego Aéreo e outras matérias não avaliadas.
Apesar de ser obrigatório apenas para o exame em vôo, é desejável que o candidato se submeta, logo que possível, a uma Junta Especial de Saúde para realizar a Inspeção de Saúde que, obtendo aprovação, permitirá a emissão do correspondente Certificado de Capacidade Física (CCF) de 1a Classe.
A licença de PC/IFR é obrigatória para quem pretende atuar de forma remunerada como piloto comercial de helicóptero.



Instrutor de Vôo de Avião – INVA – Parte Teórica

Curso teórico destinado a produzir os conhecimentos necessários para atuar com segurança como Instrutor de Vôo de Avião e que serão cobrados nas Bancas de Exames da ANAC. Deve, obrigatoriamente, ser feito em escola homologada.
O curso é constituído de, aproximadamente, xxxxxxxxx tempos de aula distribuídos entre as seguintes matérias:



Piloto Privado de Helicópteros – PPH – Parte Prática

Curso destinado a desenvolver a perícia necessária para conduzir um helicóptero com segurança, atuando como PPH. É realizado em, pelo menos, trinta e cinco horas de instrução de vôo, sendo que a EFAI está autorizada a realizar cinco dessas horas em simulador. Ao final do curso, e tendo adquirido o grau adequado de proficiência para garantir uma operação segura, o aluno é encaminhado para o Vôo de Verificação de Perícia, popularmente conhecido como “Vôo de Cheque”, que, em sendo aprovado, permitirá a emissão da licença de Piloto Privado de Helicóptero.



Piloto Comercial de Helicóptero – PCH – Parte Prática

Curso destinado a desenvolver a perícia necessária para conduzir um helicóptero com segurança, atuando como PCH. É realizado em, pelo menos, sessenta e cinco horas de instrução de vôo, sendo que a EFAI está autorizada a realizar dez dessas horas em simulador. Esse número de horas pode variar ligeiramente em função do tempo de Vôo consumido no curso de PPH, porque a exigência é que o piloto tenha um mínimo de cem horas d instrução para ser encaminhado a cheque de PCH. Ao final do curso, e tendo adquirido o grau adequado de proficiência para garantir uma operação segura, o aluno é encaminhado para o Vôo de Verificação de Perícia, popularmente conhecido como “Vôo de Cheque”, que, em sendo aprovado, permitirá a emissão da licença de Piloto Comercial de Helicóptero.



Instrutor de Vôo de Helicóptero – INVH – Parte Prática

Curso destinado a desenvolver a perícia e o grau de adestramento necessários para ministrar instrução de vôo de helicóptero com segurança, atuando como INVH. É realizado em, pelo menos, dez horas de instrução de vôo. Ao final do curso, e tendo adquirido o grau adequado de proficiência para garantir uma operação segura, o aluno é encaminhado para o Vôo de Verificação de Perícia, que, em sendo aprovado, permitirá a emissão da Habilitação Técnica de Instrutor de Vôo de Helicóptero.



Curso de Vôo por Instrumentos de Helicóptero – IFRH – Parte Prática Curso destinado a desenvolver a perícia necessária para conduzir um helicóptero, operando, com segurança, sob as Regras de Vôo por Instrumentos. É realizado em, pelo menos, quarenta horas de instrução de vôo, sendo que a EFAI está autorizada a reduzir esse total para vinte horas, desde que sejam realizadas vinte e cinco horas em simulador e, para tanto, a EFAI possui simulador próprio, homologado para esse fim, e em funcionamento. Ao final do curso, e tendo adquirido o grau adequado de proficiência para garantir uma operação segura, o aluno é encaminhado para o Vôo de Verificação de Perícia, ou “Vôo de Cheque”, que, em sendo aprovado, permitirá a emissão da Habilitação Técnica de Vôo por Instrumentos em Helicóptero.


Centro de Treinamento
Após concluir a sua formação básica, o piloto precisa manter-se em permanente condição de operar com eficiência e com segurança.

Os cursos de treinamento destinados a aperfeiçoar o piloto já formado como aqueles necessários para habilitá-lo para operar diferentes tipos de aeronaves ou para realizar operações especiais como, por exemplo, o transporte de carga externa em helicóptero ou, ainda, de combate a incêndio também com helicóptero, entre outros, são realizados pela EFAI – Centro de Treinamento.

A EFAI – Centro de Treinamento oferece Treinamento Inicial, Periódico e especiais
para as seguintes aeronaves:

  • Schweizer 300
  • Robson 22/44
  • Helibras/Eurocopter HB/AS 350
  • Eurocopter AS 355
  • Eurocopter AS 365
  • Eurocopter EC 120
  • Eurocopter EC 135
  • Bell 206
  • Sikorsky S76
Tipos de treinamento oferecidos:
  • Inicial
  • Periódico
  • Transição
  • Diferenças
  • Elevação de nível
  • Requalificação
  • Instrutor/Examinador Credenciado
Inicial

Treinamento inicial requerido para o tripulante de vôo (recém-contratado) e que nunca foi qualificado nem trabalhou na mesma função em um tipo particular de aeronave e não teve experiência prévia com o operador.
Este treinamento é a primeira experiência do tripulante de vôo com os procedimentos e regulamentos que regem o funcionamento de uma empresa aérea, sendo o mais abrangente e completo treinamento aplicado a um tripulante.

Periódico

Treinamento requerido para o tripulante de vôo para permanecer adequadamente treinado e permanentemente proficiente no tipo de aeronave, função a bordo e tipo de operação.

Transição

Treinamento requerido para um tripulante de vôo que já tenha sido previamente treinado e qualificado para uma função específica pelo operador e que está sendo designado para a mesma função em diferente tipo de aeronave do mesmo grupo e da mesma empresa.

Diferenças

Treinamento requerido para um tripulante de vôo que foi qualificado e trabalhou em um tipo particular de aeronave antes de começar a trabalhar, na mesma função, em uma variante do mesmo tipo de aeronave.

Elevação de nível

Treinamento requerido para um tripulante de vôo que já tenha sido previamente treinado e qualificado para uma função específica pelo operador em um tipo particular de aeronave e que está sendo designado para a outra função no mesmo tipo de aeronave da mesma empresa.

Requalificação

Treinamento requerido para um tripulante de vôo que tenha sido qualificado pela empresa e que tenha perdido sua qualificação para trabalhar em uma função particular e/ou equipamento por não ter completado satisfatoriamente o treinamento periódico e/ou os exames de proficiência, de competência em vôo IFR e de rota nos períodos previstos. O Treinamento de Requalificação é aplicado em função do tempo decorrido após o tripulante ter perdido sua qualificação.

Instrutor/Examinador Credenciado

Treinamento requerido para o comandante que esteja sendo designado pelo operador para exercer a função de instrutor de vôo e/ou examinador credenciado. Para o examinador ser credenciado pela ANAC é requerido, além dos treinamentos para instrutor e examinador, o curso para examinador credenciado ministrado pela SEP.

Treinamentos Especiais

Treinamento requerido para um tripulante de vôo para qualificar-se em procedimentos especiais, em decorrência de alterações nas Especificações Operativas da empresa, inclusão de novos equipamentos na aeronave ou mudanças em procedimentos operacionais, que não estejam previstos no Programa de Treinamento da Empresa.
  • Operação em Clima Frio
  • Vôo Baixa Altura
  • Vôo em Região de Montanha
  • Pouso em Terreno Acidentado
  • Inspeção de Linha de Alta Tensão e Gasoduto
  • Operação em Região de Floresta
  • Operação Aeromédica
  • Operação com Carga Externa
  • Operação com Guincho
  • Operação de Mc Guire
  • Operação de Rappel
  • Operação de Resgate com Puçá
  • Combate a Incêndios
  • Lançamento de Pára-quedista
  • Operação Off Shore
  • Procedimentos de Emergência em Helicópteros
  • Vôo por Instrumentos
  • Sistema de Navegação GPS
  • Sobrevivência na Água
  • Sobrevivência na Selva
  • Escape de Aeronave Submersa
  • Gerenciamento do Risco
Operação em Clima Frio
Vôo Baixa Altura
Vôo em Região de Montanha
Pouso em Terreno Acidentado
Inspeção de Linha de Alta Tensão e Gasoduto
Operação em Região de Floresta
Operação Aeromédica
Operação com Carga Externa
Operação com Guincho
Operação de Mc Guire
Operação de Rappel
Operação de Resgate com Puçá
Combate a Incêndios
Lançamento de Pára-quedista
Operação Off Shore
Procedimentos de Emergência em Helicópteros

Vôo Baixa Altura
Vôo em Região de Montanha
Pouso em Terreno Acidentado
Inspeção de Linha de Alta Tensão e Gasoduto
Operação em Região de Floresta
Operação Aeromédica
Operação com Carga Externa
Operação com Guincho
Operação de Mc Guire
Operação de Rappel
Operação de Resgate com Puçá
Combate a Incêndios
Lançamento de Pára-quedista
Operação Off Shore
Procedimentos de Emergência em Helicópteros

  • INTRODUÇÃO

Operar uma aeronave com eficiência e com segurança envolve, basicamente, conhecer as suas características, suas limitações, desempenho e procedimentos normais e de emergência. Isto se aprende no Ground School. Durante a parte prática, aprendemos a executar um grande número de manobras, mas algumas coisas têm ficado para trás. Há muitos anos, deixamos, no Brasil, de praticar certas manobras que são importantes para a segurança de vôo de qualquer operador de aeronave de asas rotativas como a auto-rotação real, por exemplo. O Curso de Procedimentos de Emergência foi criado para superar essa lacuna.

  • OBJETIVO

O Curso de Procedimentos de Emergência tem a finalidade de desenvolver no aluno a proficiência necessária para conduzir a aeronave com segurança em caso de falha de potência ou de sistemas diversos, realizando o pouso com a aeronave degradada.

  • INSTRUÇÃO

A instrução desenvolve-se em duas fases:

    • Instrução Teórica

É realizado um briefing com a duração de duas horas-aulas com a finalidade de discutir as principais características do vôo em situação anormal ou de emergência, e as técnicas de pilotagem para a realização das diversas manobras previstas.

    • Instrução Prática

O objetivo da instrução prática é desenvolver no aluno a perícia necessária para realizar as diversas manobras com segurança, mas procurando aproximar-se dentro do possível das condições de uma falha real e respeitando os limites estabelecidos pelo fabricante no Manual de Vôo da aeronave.

  • PROGRAMA DE VÔO

O curso foi desenvolvido para ser realizado em três horas de vôo. Esse planejamento leva em conta a experiência de mais dez anos de existência desse treinamento e pelo qual já passaram mais de mil e trezentos pilotos. A duração pode variar para mais ou para menos, dependendo do grau de experiência de cada um. Pilotos com um bom nível de experiência ou que já tenham realizado o treinamento pelo menos uma vez podem utilizar duas horas como fator de planejamento.

    • Grade de Curso
Horário 1º Vôo 2º Vôo 3º Vôo

Flexível e a ser definido de acordo com a conveniência do cliente e com a disponibilidade da aeronave e do instrutor

  • Transparência de Servo comandos.
  • Demonstração da estabilidade dinâmica.
  • Pouso Corrido.
  • Vôo sem hidráulico.
  • Pouso corrido sem hidráulico.
  • Vôo pairado DES, giros e deslocamentos DES sem hidráulico.
  • Demonstração de pouso com o governador em emergência.
  • Demonstração de pouso sem pedais.

  • Vôo com o governador em emergência.
  • Pouso com o governador em emergência.
  • Pouso sem pedais.
  • Auto-rotação real direta com pouso.
  • Demonstração de auto-rotação na decolagem.

  • Revisão das manobras dos vôos anteriores.
  • Auto-rotação real com pouso – direta – de 90º - de 180º e de 360º.
  • Auto-rotação no pairado DES.
  • Auto-rotação na decolagem com 0, 10, 20, 30, 40, 50 e 60 kt.
  • Auto-rotação na aproximação.
  • Auto-rotação no pairado FES no limite do diagra-ma Altura X Velocidade.

Vôo por Instrumentos

Sistema de Navegação GPS

Sobrevivência na Água

Sobrevivência na Selva

Escape de Aeronave Submersa

Gerenciamento do Risco


EFAI - BH: 55 (31) 2122-7474
EFAI - SP: 55 (11) 3751-5908