Notícias

26 de Junho, Dia da Aviação de Busca e Salvamento

A ORIGEM DA ATIVIDADE DE BUSCA E SALVAMENTO NA FORÇA AÉREA BRASILEIRA REMONTA AOS TEMPOS DA CRIAÇÃO DO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA, NA DÉCADA DE 1940, SENDO EFETIVAMENTE ESTRUTURADA NOS ANOS 50. DESDE ENTÃO, INCONTÁVEIS MISSÕES FORAM REALIZADAS E INÚMERAS VIDAS FORAM SALVAS.

UMA MISSÃO, NO ENTANTO, MARCOU PARA SEMPRE A HISTÓRIA DO SAR NO BRASIL: AS BUSCAS AO C-47 FAB 2068.

SUA TRISTE SAGA TEVE INÍCIO NO DIA 15 DE JUNHO DE 1967, QUANDO O DESTACAMENTO DE CACHIMBO, AO SUL DO PARÁ, RECEBEU INFORMES DE QUE UM ATAQUE INDÍGENA ERA IMINENTE E PODERIA TOMAR O CAMPO. REFORÇOS URGENTES FORAM PEDIDOS À PRIMEIRA ZONA AÉREA.

O 2068, AINDA QUE A METEOROLOGIA DESACONSELHASSE O VOO NAQUELA NOITE, APÓS DECOLAR DE BELÉM E POUSAR EM JACAREACANGA PARA REABASTECIMENTO, SEGUIU RUMO AO SEU DESTINO. ENTRETANTO, AO NÃO ENCONTRAR O CAMPO, MESMO TENTANDO VÁRIAS VEZES O AVISTAMENTO E COM UMA SEQUÊNCIA DRAMÁTICA DE MENSAGENS, ÀS 4 HORAS E 52 MINUTOS DA MADRUGADA SILENCIOU-SE NA IMENSIDÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA.

TEVE INÍCIO, ENTÃO, A MAIOR OPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO DA HISTÓRIA DA AVIAÇÃO BRASILEIRA E, NO DIA 26 DE JUNHO, APÓS SEREM VOADAS MAIS DE 1.100 HORAS POR DIVERSAS AERONAVES, O ALBATROZ 6539 DECOLOU PARA AQUELA QUE SERIA A DERRADEIRA E MARCANTE MISSÃO. INVESTIGANDO UMA REVOADA DE URUBUS, INTENCIONALMENTE ESPANTADOS COM UM TIRO DE PISTOLA DISPARADO PELO 2º SGT BOTELHO, SOBREVIVENTE DO FAB 2068, O ALBATROZ AVISTOU OS DESTROÇOS NAS PROXIMIDADES DO MUNICÍPIO DE TEFÉ E LOGO FEZ ECOAR, VIBRANTEMENTE, PELA FREQUÊNCIA DO RÁDIO DE COMUNICAÇÃO:

“ACHAMOS O 2068!”

A EUFORIA PELO SUCESSO DA MISSÃO CONTAGIOU TODOS QUE ESTAVAM ENGAJADOS NAQUELA DIFÍCIL TAREFA.

NO ENTANTO, ASSIM QUE O SH-1D FAB 8530 LANÇOU POR RAPEL A EQUIPE DE RESGATE NO LOCAL DO SINISTRO, A ALEGRIA SE CONFUNDIU COM A DOR DE UM CENÁRIO DESOLADOR. DAS VINTE E CINCO PESSOAS A BORDO, APENAS CINCO CONSEGUIRAM SOBREVIVER ATÉ AQUELE MOMENTO.

DENTRE ELES, O TEN ESP CTA LUIZ VELLY CONSEGUIU TRADUZIR EM UMA ÚNICA FRASE TODO O SENTIMENTO QUE EXPRESSA A CERTEZA DO RESGATE E QUE PASSOU A PERMEAR A VOCAÇÃO E O ESPÍRITO SAR DAQUELE MOMENTO EM DIANTE:

“EU SABIA QUE VOCÊS VIRIAM!”

PASSADOS 47 ANOS DESTE EPISÓDIO, A BUSCA E SALVAMENTO CONTINUA MOSTRANDO-SE IMPRESCINDÍVEL. AS MISSÕES HUMANITÁRIAS PROPORCIONAM A ALEGRIA DO REENCONTRO A TANTAS VÍTIMAS DE CATÁSTROFES NATURAIS NO BRASIL E NO EXTERIOR, AUXILIANDO IRMÃOS COMPATRIOTAS E DE NAÇÕES AMIGAS EM SUAS DIFICULDADES.
SEJA EM UM PASSADO UM POUCO MAIS DISTANTE, COMO NO SOCORRO ÀS VÍTIMAS DE UM TERREMOTO NO PERU, EM MAIO DE 1970 QUE, APESAR DE TER VITIMADO MAIS DE SESSENTA MIL PESSOAS, OUTRAS TANTAS FORAM SOCORRIDAS E ASSISTIDAS PELO TRANSPORTE DE TONELADAS DE ALIMENTOS E REMÉDIOS A BORDO DOS SH-1D; SEJA EM UM PASSADO MAIS PRÓXIMO, COMO NAS INUNDAÇÕES OCORRIDAS NA BOLÍVIA, EM MARÇO DE 2007, QUANDO MILHARES DE FAMÍLIAS FICARAM DESABRIGADAS E A FORÇA AÉREA BRASILEIRA APOIOU O PAÍS VIZINHO NO TRANSPORTE DE ALIMENTOS E REMÉDIOS, RESGATANDO, TAMBÉM, CENTENAS DE VÍTIMAS.

NO CENÁRIO NACIONAL, SÃO RECENTES AS LEMBRANÇAS DAS CATÁSTROFES NOS ESTADOS DE SANTA CATARINA, MARANHÃO, PIAUÍ, ESPÍRITO SANTO E NA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO. 
PERMANECEM GRAVADAS NÃO SÓ NA MEMÓRIA DOS HOMENS SAR, COMO TAMBÉM NA MEMÓRIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA, AS TRAGÉDIAS COM O GOL 1907, EM SETEMBRO DE 2006, QUE EXIGIU UM TRABALHO HERCÚLEO DE RESGATE EM PLENA SELVA AMAZÔNICA, E COM O AIR FRANCE 447, EM MAIO DE 2009, COM DESTROÇOS E VÍTIMAS A MAIS DE 900 KM DA COSTA BRASILEIRA, NO MEIO DO OCEANO ATLÂNTICO.

IMPORTANTE TAMBÉM RESSALTAR AS BUSCAS PELO PR-LMN, QUE DECOLOU DA CIDADE DE ITAITUBA PARA JACAREACANGA, NO PARÁ, NO DIA 18 DE MARÇO DE 2014, OCORRÊNCIA DE REPERCUSSÃO NACIONAL QUE EXIGIU ENORMES COORDENAÇÕES E ESFORÇOS. O MAU TEMPO, ASSOCIADO À CHEIA DOS RIOS DA REGIÃO, AUMENTOU O GRAU DE DIFICULDADE DOS TRABALHOS PARA OS QUAIS A FORÇA AÉREA ENGAJOU AERONAVES DAS AVIAÇÕES DE BUSCA, PATRULHA E DE ASAS ROTATIVAS.

DENTRO DO ESPÍRITO DE QUE “POR UMA VIDA É PRECISO LUTAR!”, COMO ENALTECE O HINO SAR, E NO INTUITO DE PROVER O MELHOR APOIO POSSÍVEL, A BUSCA E SALVAMENTO VEM SE MODERNIZANDO E SE ESPECIALIZANDO. VETORES AÉREOS, COMO O SC-105 AMAZONAS, AMPLIARAM A CAPACIDADE DA FORÇA. SUA ELEVADA AUTONOMIA E MAIOR DISPONIBILIDADE PARA CARGAS, TRIPULANTES, HOMENS DE RESGATE E PARAQUEDISTAS SAR INTEGRAM, DE FORMA RÁPIDA, DISTANTES REGIÕES DO PAÍS PROPORCIONANDO UM EFICIENTE EMPREGO.

AS UNIDADES AÉREAS, HÁ POUCOS ANOS, NÃO IMAGINAVAM RESGATES EM PERÍODOS NOTURNOS. HOJE, MISSÕES COM ÓCULOS DE VISÃO NOTURNA – NVG – SÃO UMA REALIDADE E O ECO DOS ROTORES DOS HELICÓPTEROS PODE SER OUVIDO EM LOCAIS TOTALMENTE DESPROVIDOS DE APOIO NA IMENSA ESCURIDÃO DAS NOITES E MADRUGADAS.

DA MESMA FORMA, O ADVENTO DA AERONAVE P-3, COM OS SEUS MODERNOS SISTEMAS EMBARCADOS E LONGO ALCANCE, ESTENDE A COBERTURA MARÍTIMA A ÁREAS, ATÉ POUCO TEMPO, NÃO ALCANÇADAS.

OS HELICÓPTEROS H-60 BLACK HAWK, OS H-34 SUPER-PUMA E OS LENDÁRIOS H-1H IROQUOIS DISTRIBUÍDOS DO NORTE AO SUL DO BRASIL, COM TODA A CAPACIDADE JÁ COMPROVADAMENTE DEMONSTRADA, CORROBORAM A CERTEZA DE UM APOIO INCONDICIONAL À VIDA HUMANA.

O DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO, DECEA, POR MEIO DOS SEUS CENTROS INTEGRADOS DE DEFESA AÉREA E CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO – CINDACTA – VEM, DA MESMA FORMA, INVESTINDO NAS ATIVIDADES SAR. OS CINCO CENTROS DE COORDENAÇÃO DE SALVAMENTO AERONÁUTICO, TAMBÉM CONHECIDOS COMO SALVAERO CURITIBA, BRASÍLIA, RECIFE, AMAZÔNICO E ATLÂNTICO SÃO OS ELOS DO SISTEMA SAR BRASILEIRO QUE COORDENAM AS ATIVIDADES DE BUSCA E SALVAMENTO EM TODA A ÁREA DE RESPONSABILIDADE DO BRASIL CORRESPONDENTE A VINTE E DOIS MILHÕES DE KM².

NO FOCO DA MELHORIA DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS SALVAEROS, EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE – SATCOM – ESTÃO SENDO ADQUIRIDOS E JÁ POSSIBILITAM CONTATOS ENTRE AS AERONAVES ENGAJADAS NAS MISSÕES DE BUSCA E SALVAMENTO E OS CENTROS DE COORDENAÇÃO POR MEIO DE MENSAGEM DE TEXTO, VOZ E INFORMAÇÃO DE LOCALIZAÇÃO.

OUTRO RECURSO DE ELEVADA IMPORTÂNCIA, TAMBÉM EM PROCESSO DE AQUISIÇÃO, SÃO AS BOIAS MARÍTIMAS. UMA VEZ LANÇADAS DAS AERONAVES, TERÃO A CAPACIDADE DE OBTER INFORMAÇÕES DAS CORRENTES E TEMPERATURA DA ÁGUA E DO AR, MAXIMIZANDO OS CÁLCULOS E AS ANÁLISES E TORNANDO MAIS EFICIENTE A LOCALIZAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OU AERONAVES SINISTRADAS NA “AMAZÔNIA AZUL”.

A CRESCENTE PROJEÇÃO DA CAPACIDADE SAR DO BRASIL E AS LIÇÕES APRENDIDAS NOS DOIS GRANDES ACIDENTES AÉREOS OCORRIDOS EM NOSSA ÁREA DE RESPONSABILIDADE, EVIDENCIARAM A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE BUSCA E SALVAMENTO COESO E MARCADO POR UMA DOUTRINA ÚNICA E FORTE. DESSA PERSPECTIVA, ADVEIO A NECESSIDADE DE TREINAMENTOS FREQUENTES ENTRE AS EQUIPES DE COORDENAÇÃO, AS UNIDADES AÉREAS VOCACIONADAS PARA A ATIVIDADE EM QUESTÃO E AS EQUIPES DE RESGATE.

COM ESSE ENFOQUE, FOI REALIZADO, ENTRE MARÇO E ABRIL DE 2014, NA BASE AÉREA DE FLORIANÓPOLIS, O MAIOR TREINAMENTO DE BUSCA E SALVAMENTO DA AMÉRICA LATINA: O EXERCÍCIO CARRANCA 3. NA OPORTUNIDADE, TODOS OS CENTROS DE COORDENAÇÃO E SALVAMENTO AERONÁUTICOS DO BRASIL E UNIDADES AÉREAS QUE REALIZAM MISSÕES SAR PARTICIPARAM E PUDERAM SOLIDIFICAR OS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS.

COM UMA MÉDIA DE DOZE MISSÕES DIÁRIAS, SOBRE A TERRA OU MAR, FORAM UTILIZADOS EQUIPAMENTOS DE VISÃO NOTURNA, COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE E EMPREGADOS PARAQUEDISTAS. EM UM PROFÍCUO TRABALHO INTEGRADO ENTRE O COMANDO-GERAL DE OPERAÇÕES AÉREAS, COMGAR, O DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO, DECEA E REPRESENTANTES DA MARINHA DO BRASIL FICOU COMPROVADA A EFICIÊNCIA DE UM CENTRO DE COORDENAÇÃO DE SALVAMENTO CONJUNTO PARA AS OPERAÇÕES SAR SOBRE O MAR.

POR FIM, É PRECISO DESTACAR O FUTURO PROMISSOR DA BUSCA E SALVAMENTO A PARTIR DOS NOVOS VETORES H-36, CARACAL, DOTADOS DE EQUIPAMENTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO COMO FLIR, PLS, “CHAFF E FLARE” E PILOTAGEM AUTOMÁTICA NOS QUATRO EIXOS, QUE TORNARÃO AS MISSÕES SAR MAIS SEGURAS PARA TRIPULANTES E SOBREVIVENTES. ESSE AVANÇO SERÁ, SOBRETUDO, PRIMORDIAL NAS MISSÕES DE BUSCA E SALVAMENTO EM COMBATE – CSAR – ONDE A FORÇA AÉREA INSERIR-SE-Á, EFETIVAMENTE, NO CONTEXTO DA GUERRA MODERNA.

DA MESMA FORMA, AS MISSÕES DE BUSCA SERÃO POTENCIALIZADAS EM SUA CAPACIDADE DE OBSERVAÇÃO COM A CHEGADA DE TRÊS S-105, “AMAZONAS SAR”. PREVISTOS PARA O INÍCIO DE 2017, SERÃO DOTADOS DE QUATRO POSTOS DE OBSERVAÇÃO, COMUNICAÇÃO POR SATÉLITE, PLS, RADAR DE ABERTURA SINTÉTICA E SISTEMAS ELETRO-ÓPTICOS E INFRAVERMELHOS DE ALTA RESOLUÇÃO.

TANTO OS S-105 QUANTO OS H-36 LANÇARÃO COMO DESAFIO UM APERFEIÇOAMENTO DA DOUTRINA, A FIM DE QUE TODOS OS RECURSOS OFERECIDOS POR ESSES VETORES SEJAM REALMENTE APLICADOS OPERACIONALMENTE.

DESSA FORMA, HOMENS E MULHERES DA BUSCA E SALVAMENTO, UM NOVO E AINDA MAIS PROMISSOR HORIZONTE SE APROXIMA!
PARA TANTO, É IMPRESCINDÍVEL:

QUE A CONVICÇÃO DO TEN VELLY, EXPRESSA NA FRASE: “EU SABIA QUE VOCÊS VIRIAM!” CONTINUE VIVA NOS CORAÇÕES E NAS MENTES DE TODOS QUE, DIUTURNAMENTE, LABUTAM NA NOBRE MISSÃO DE SALVAR VIDAS!

QUE SE OLHE PARA O FUTURO CONFIANDO, A EXEMPLO DO MEMORÁVEL 26 DE JUNHO DE 1967, QUE NOVOS CENÁRIOS ESTÃO SENDO DESCORTINADOS NA INCESSANTE LABUTA PELA EXCELÊNCIA DE NOSSAS ATIVIDADES.

E QUE SE HONRE NOSSOS ANTECESSORES, POIS, BRAVA E HEROICAMENTE, CONDUZIRAM A BANDEIRA DO SAR, NÃO IMPORTANDO O DESTINO, MAS SIM A CONSTANTE FORÇA INTERIOR. O TEMPO, QUE AVANÇA LIGEIRO, TRADUZIRÁ SEMPRE A PREMÊNCIA DO COMPROMISSO QUE...

… “POR UMA VIDA É PRECISO LUTAR!!!”

… LUTAR... “PARA QUE OUTROS POSSAM VIVER”!!

TEN BRIG AR NIVALDO LUIZ ROSSATO
COMANDANTE-GERAL DE OPERAÇÕES AÉREAS

Consulta ANAC

Habilitação
Aeronavegabilidade
×

Pergunta

×

Depoimento

×